Conheça minha China

bar

 
Religiões na China

 

Muitas pessoas me perguntaram se existem religiões na China. Falei "Sim", pelo que dei sempre uma surpresa para as pessoas. Placas de desejos de visitantes no Templo Dongyue em Beijing. durante as festas do ano novo.

Existem sim, na verdade uma grande diversidade de religiões e mais de 100 milhões de fiéis na China: budismo, islamismo, catolicismo, evangelismo e taoísmo são as cinco religiões principais. Além disso, existem também xamanismo, cristianismo ortodoxo oriental, e religiões que nasceram em culturas étnicas que existem principalmente entre minorias étnicas, tais como a cultura Dongba e a cultura Mazu.

É importante salientar que a liberdade de consciência é um direito básico do cidadão chinês, garantido pela Constituição da República Popular da China.

Até 1997, havia na China 85.000 estabelecimentos religiosos registrados, mais de 3.000 organizações religiosas, cerca de 300.000 pessoas prestavam serviços para religiões, e 74 academias e instituições religiosas que se dedicavam a pesquisas e educação em religiões, como a Instituição de Budismo Chinesa, a Instituição de Taoísmo Chinesa, NanJing JinLing Instituição de Evangelismo, etc.

Dentro do Congresso formado pelo povo chinês e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, havia quase 17.000 fiéis de religiões diferentes a integrar os cargos de representantes ou membros do comitê, representando os círculos religiosos na participação de gestão do país.

A foto em cima foi tirada em 2000 no Templo Dong Yue em Beijing, durante o ano novo chinês. Muitos chineses gostam de visitar templos durante o ano novo chinês e rezam para o próximo ano. No fundo desta foto temos um buda, as placas vermelhas em frente dele foram colocadas pelos visitantes. Cada placa foi de uma pessoa, ela escreveu seu nome num lado da placa, e no outro lado palavras de boa vontade ou seus desejos.

As religiões na China

Os monges dentro de um templo budista.

 

Budismo, islamismo, taoísmo, catolicismo e evangelismo são as cinco maiores religiões na China.

Budismo: tem uma história de 2.000 anos na China. Chegou na China pela Índia no século um e começou-se a expandir amplamente no século quatro. Gradualmente, o budismo tornava-se na religião com a maior influência na China. Até 1997, o budismo possuía 13.000 templos e mosteiros, e cerca de 200.000 monges e monjas budistas. Padre daoísta

 

Taoísmo: formou-se no século dois na China e possui até hoje uma história de 1.900 anos. O Taoísmo formou-se a partir da obra "Tao De Jing" (O clássico imortal "o Jeito e o Poder", escrito por volta do século seis a.C.) do filósofo chinês Laozi (ou Lao-Tze), que é considerado o fundador da religião. O Taoísmo propaga a palavra "Tao" (o Jeito) e prega a idéia, que praticando o Tao, pode-se combinar o corpo físico com o Tao, e aí, tornar-se imortal e nunca envelhecer. Até 1997, o Taoísmo tinha mais de 1.500 templos taoístas e 25.000 monges e monjas taoístas.

Foto tirada num Templo taoísta em Beijing em 1998.

  Grande Mesquita em Xi'an

Islamismo: chegou na China no século sete, quando os comerciantes árabes e persas chegaram no noroeste e sudeste da China para fazer negócio. Os muçulmanos chineses são povos formados por dez minorias étnicas, com um total de 18.000.000 pessoas (dados do ano 1997). O Islamismo possui mais de 30.000 mesquitas e mais de 40.000 imãs na China. Além disso, construíram-se 9 academias e instituições de escrituras sagradas islâmicas para pesquisa e educação. Para respeitar os hábitos alimentais e a cerimônia de luto dos muçulmanos, o governo chinês elaborou leis e regras sobre a produção de comida muçulmana, e construiu cemitérios muçulmanos.

Foto tirada na Grande Mesquita de Xi'an. As crianças estiveram na pausa da escola religiosa da mesquita.

  Igreja católica

Catolicismo(Cristianismo): chegou esporadicamente na China desde o século sete, e expandiu-se vastamente depois da Guerra do Ópio de 1840 (a invasão da Grã-Bretanha na China, 1840-1842). A primeira igreja católica em Beijng foi construída em 1582. Até 1997, havia cerca de cinco milhões de fiéis católicos na China, 4.000 instrutores e administradores que prestavam serviço para o catolicismo, e cerca de 5.000 igrejas católicas e locais de encontros católicos. Todo ano recebiam-se cerca de 50.000 fieis novos.

Foto tirada em Beijing em 2002.

Evangelismo(Cristianismo): começou na China no início do século dezoito e expandiu-se amplamente também depois da Guerra de Ópio. Até 1997, havia mais ou menos 10 milhões de fiéis, 18.000 clérigos, pastores e pregadores, 12.000 igrejas e 25.000 locais de encontros evangélicos.

Além dessas cinco religiões, existe também uma grande variedade de religiões menores, incluindo religiões que chegaram de outros países como o xamanismo ou cristianismo ortodoxo oriental; e outras religiões que nasceram de histórias e culturas especiais das minorias étnicas chinesas, como o Dongba ou Mazu, as quais têm até hoje influênciam principalmente dentro de suas próprias minorias étnicas.

As religiões possuem suas próprias organizações dentro da China, como a Associação Budista Chinesa, a Associação Taoísta Chinesa, a Associação Islâmica Chinesa, a Faculdade de Bispos Católicos Chinesa e o Conselho Cristão Chinês. Os líderes das organizações são eleitos de acordo com as próprias constituições das organizações. As organizações estabelecem escolas e instituições religiosas, publicam e distribuem periódicos e obras clássicas religiosas, e dedicam-se ao bem-estar público. A administração das organizações é independente.

 

Em continuação
O prejuízo da Revolução Cultural e o retorno das religiões

 

 


©Minha China. Todos os direitos reservados. Informações disponíveis de graça. Só fale comigo.